Fato Real
Destaque Lafaiete

Doadores de sangue reclamam de condições para conseguirem ajudar DJ Raí

Sensibilizadas pela notícia de que Raimundo Eduardo Nunes, o DJ Raí, estaria necessitando urgentemente de doação de sangue, um número expressivo de pessoas esteve no Posto de Coleta Externa de Sangue de Conselheiro Lafaiete (PACE) na manhã desta quarta-feira (17/11).

Número expressivo de doadores esteve no Pace pela manhã. Foto: Ana Cândida/Fato Real
Número expressivo de doadores esteve no Pace pela manhã. Foto: Ana Cândida/Fato Real

A ação, no entanto, expôs mais uma vez as situações que são constantemente alvos de reclamação da população do município. A localização geográfica do posto é um impeditivo levantado por boa parte da população: o PACE fica junto à UBS de São João, na Higino Sebastião da Cunha, 135, no bairro Bandeirantes, na região da Linhazinha. A população reclama que, além da distância para o centro da cidade, o transporte público até o local não é facilitado. Outro ponto que é levantado como dificuldade para a ação é a falta de atendimento pelo telefone disponibilizado para contato.

Localização do Pace é alvo constante de reclamações
Localização do Pace é alvo constante de reclamações

Outra reclamação da população da cidade é em relação a baixa disponibilidade de horários para doação e a necessidade de agendar para realizar a ação. O posto só funciona nas quartas-feiras, das 8h às 12h.

O comerciante Leonardo Oliveira é uma das pessoas que estiveram no local na manhã desta quarta-feira. Ele também reclamou muito da situação que encontrou: “Eu sou doador de sangue há mais de dez anos no Hemominas e nunca tive que agendar para doar. Aqui em Lafaiete está uma vergonha, não tem cabimento um negócio desses. […] Sangue é vida, precisa da inteligência de colocar um banco de sangue no centro da cidade, mais fácil e mais acessível para todos. É muito distante a coleta de sangue de Lafaiete, o bairro Bandeirantes é muito distante. Fica muito difícil o acesso lá para quem vai a pé, ou para quem vai de ônibus e tem que pegar duas ou três lotações para chegar lá”, destaca o comerciante.

Segundo Leonardo, pela manhã havia cerca de 30 a 40 pessoas no local esperando para
realizar a doação. No entanto, ele estima que 10% desse pessoal não tenha conseguido doar.

Colegas de trabalho de Raí, que além de DJ é vendedor ambulante, reclama que o agendamento impossibilita que eles consigam fazer as doações para o amigo. Um dos camelôs sugeriu que, devido à urgência da situação do colega, fosse aberta uma exceção e que as normas para a ação fossem flexibilizadas.

Colegas pedem atenção à urgência da doação de sangue para DJ Raí
Colegas pedem atenção à urgência da doação de sangue para DJ Raí

O Fato Real apurou junto à coordenação do Posto de Coleta que há uma preferência para as pessoas que agendam. Aquelas pessoas que não realizaram o agendamento, podem conseguir doar através da “livre demanda”, que são as vagas que sobram, ou por falta de doadores ou por ausência daqueles que marcaram horário.

Fato Real