Fato Real
Destaque Política

Vereadores criticam situação das escolas durante retorno às aulas presenciais em Lafaiete

Sala adaptada em escola municipal
Sala adaptada em escola municipal

A situação encontrada em escolas municipais neste início de retorno às aulas presenciais, no sistema híbrido, foi alvo de críticas por parte dos vereadores na sessão ordinária da Câmara Municipal nesta terça-feira (05/10).

Um requerimento foi feito pela vereadora Damires Rinarlly (PV) questionando a Secretaria de Educação sobre a situação das instituições de ensino da cidade para este retorno: “Infelizmente estamos nos deparando, nas visitações nas escolas, com o poder Executivo não preparando o retorno às aulas como deveria. Nós fizemos audiência pública aqui nesta Casa, posteriormente houve um documento grande do Plano Estratégico de Retorno às Aulas e pensamos que estava planejado, porque temos o papel”.

Damires ainda pontuou que as escolas precisam passar por pequenos reparos e que ela havia indagado a Secretaria de Educação sobre isso. A parlamentar recebeu a resposta de que estavam sendo aplicados R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais) neste tipo de obra, no entanto, durante as visitações dos vereadores não foi possível observar a efetividade deste investimento.

Merenda escolar também foi criticada
Merenda escolar também foi criticada

O vereador Pastor Angelino (PP) endossou as críticas feitas por Damires: “Não houve um planejamento. Ou, se houve, não está sendo cumprido. Estamos vendo todas, ou quase todas, as escolas de forma irregular, os EPIs é claro que não tem, a merenda escolar neste período está sendo uma falta de respeito com as crianças e os pais. O que está acontecendo? Voltaram às aulas, mas a situação está precária e é em quase todas as escolas”, diz o parlamentar.

Semed informa que escolas estão sendo adpatadas
Semed informa que escolas estão sendo adpatadas


Outro vereador que questionou o Executivo foi Vado Silva (DC), segundo ele, em nenhum momento das visitas fiscalizatórias dos vereadores foi visto trabalhadores da Prefeitura executando reparos nas instituições de ensino. Giuseppe Laporte (MDB)  destacou a dificuldade da cidade de cumprir o plano estratégico. Sandro José (PROS), André Menezes (PL), Erivelton Jayme (Patriota) concordaram com os colegas de Casa e convidaram os membros do Executivo para acompanharem o trabalho do Legislativo na fiscalização.  Pedro Américo (PT) destacou que muitas escolas tiveram trabalho da comunidade para que pudessem voltar a funcionar de maneira plena.

O líder do governo na Câmara, o professor Oswaldo Barbosa (PV) destacou a morosidade na adequação das escolas ao retorno: “Nós sabemos da dificuldade da esfera pública com o processo licitatório, mas com o avanço das ondas o órgão competente poderia ter se organizado de maneira mais eficaz. Mas não foi isso que aconteceu. Estamos em confronto com o princípio da isonomia, porque algumas escolas terão o ensino híbrido e outras apenas o remoto”.

O requerimento foi aprovado e segue agora para providências cabíveis.

 

Fato Real