Fato Real
Destaque Lafaiete

Reunião discute a implementação de UTI ou CTI neonatal no hospital Queluz

Reunião discutiu criação de UTI neonatal em Lafaiete
Reunião discutiu criação de UTI neonatal em Lafaiete

Aconteceu nesta quarta-feira (06/10) na Câmara Municipal de Conselheiro Lafaiete uma reunião para tratar sobre a necessidade de uma UTI ou de uma CTI neonatal no município.

Estiveram presentes na reunião uma provedora do hospital Queluz Cristiana Alves Rodrigues Pereira de Oliveira e o administrador da instituição, Wagner Costa Coelho; Roberto Santana, presidente do Conselho Municipal de Saúde,  Genoveva Sofia Sousa Silva e outros representantes do movimento “Mães do Queluz” ,  vereadores. e assessores.

A reunião foi intermediada pela vereadora Damires Rinarlly (PV), à pedido da senhora Genoveva Sofia Sousa Silva.  Gena Costureira procurou a imprensa e autoridades e encabeça um movimento em prol da criação de um CTI neonatal na cidade de  Conselheiro Lafaiete, após a morte, em agosto, de sua neta recém-nascida.

Campanha

No dia 20 de agosto nascia Amarie Agatha, neta de Gena. A pequena, no entanto, veio a óbito um dia depois de seu nascimento. Segundo a família, a causa da morte não teria sido esclarecida, mas recebeu a informação de que o bebê precisava ser internado em um Centro de Tratamento Intensivo (CTI), mas não havia vaga disponível.  

A perda motivou a avó a liderar uma campanha por uma instalação de CTI neonatal no hospital Queluz em Conselheiro Lafaiete. A ação já mobilizou diversas famílias da cidade que também passaram por uma tragédia familiar, e repercute nas redes sociais.

Quartinho que seria de Amarie Agatha
Quartinho que seria de Amarie Agatha

 

Caminho a percorrer

Movimento tem longo caminho a percorrer
Movimento tem longo caminho a percorrer

Damires Rinarlly pontuou como deve ser o caminho que deve ser percorrido até atingir o objetivo: “Não é um caminho fácil para conseguir essa UTI ou essa CTI neonatal. É um caminho árduo, dificultoso, precisa de fato equipar o hospital, através de ofício do estado. É o hospital Queluz que está apto à receber esta unidade aqui no município, porém, vamos ter de ir em esferas estaduais e federais para que consigamos de fato a equipar o hospital. É algo muito caro, cogitamos algo em torno de R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) e esse dinheiro deveria ser através de emendas parlamentares. Então percebemos que será um caminho árduo”.

O administrador do hospital, Wagner Costa, destaca que devido à dificuldade da empreitada, é preciso do apoio da população e dos representantes políticos na luta do município: “O investimento que terá que ser feito é alto. Além do custeio, quando o local já estiver funcionando que é algo que deve gerar em torno de R$ 450.000,00 (quatrocentos e cinquenta mil reais) por mês, isso vai depender da classificação dos leitos que forem implantados. Temos muito ainda a ser discutido, mas concluímos que o desejo do hospital Queluz é também o desejo do movimento “Mães do Queluz”, dos vereadores e acredito que também da população de Lafaiete e da microrregião”.

 

Fato Real