Fato Real
Gerais

Gerdau Germinar: programa de educação ambiental celebra 30 anos com 465 mil beneficiados em MG

O Gerdau Germinar, programa de educação ambiental da empresa em Minas Gerais, acaba de completar três décadas de promoção do desenvolvimento sustentável, contribuindo para a formação de uma cultura ambiental, principalmente envolvendo crianças e jovens.

Hoje, o programa contempla seis municípios da região do Alto Paraopeba (MG): Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Itabirito, Moeda, Ouro Branco e Ouro Preto (especialmente distritos de Miguel Burnier e Mota), alcançando o envolvimento de 100% das escolas da região, sejam pelas visitas técnicas, capacitações ou pelo prêmio Gerdau Germinar, que busca incentivar e reconhecer a prática da educação ambiental.

“No programa, a união e a colaboração são traços marcantes. É muito gratificante ver o empenho das escolas nos workshops de planejamento para a construção do programa de ensino, que levam para a sala de aula a prática da educação ambiental como instrumento para a sustentabilidade”, afirma o diretor de Mineração e Matérias-Primas da Gerdau, Wendel Gomes.

Em 2004, o Gerdau Germinar inaugurou o Biocentro – espaço exclusivo para a prática da educação ambiental, estudos e pesquisas. Situado aos pés da Serra do Ouro Branco, às margens do Lago Soledade, o local possui ampla estrutura, além de ambientes interativos como a Praça dos Biomas, onde é possível estar frente a frente com seis ecossistemas brasileiros à céu aberto para conhecer na prática as suas características, as trilhas de Interpretação Ambiental, a coleção de 2 mil ovos (Ovolândia) e a Horta Orgânica.

Outro destaque fica por conta da Casa Sustentável. Com 48m², foi construída com coprodutos da mineração a partir da tecnologia desenvolvida em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Desde o início do programa, foram mais de 465 mil pessoas foram beneficiadas, entre estudantes, educadores, membros das comunidades, de instituições de ensino e das ONGs, além dos colaboradores da empresa. O programa já realizou 153 mil visitas técnicas de alunos ao Biocentro e desenvolveu mais de 16 mil projetos socioambientais com escolas e comunidades. Fora do Biocentro, o programa  oferece também capacitações, rodas de conversa e outras iniciativas de conscientização ambiental junto a 150 entidades parceiras.

Evento virtual

Para marcar a data, foi realizado no dia 3 de dezembro um evento virtual que contou com a participação da Secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, Marília Melo, diretor de Mineração e Matérias-Primas da Gerdau, Wendel Gomes, além de outras autoridades da região do Alto Paraopeba e representantes das comunidades atendidas pelo programa.

“É um momento de muita alegria para nós da Gerdau. Tenho certeza que é também para os parceiros e apoiadores que acreditam no poder transformador que este programa pode exercer, principalmente para as novas gerações”, comemora Wendel.

O encontro virtual contou também com uma palestra conduzida pelo Genebaldo Freire Dias, que é Doutor em Ecologia pela UnB e autor de 19 livros sobre a temática Ambiental. Genebaldo promoveu diversas reflexões sobre o papel do ser humano na preservação do meio ambiente.

Como uma das ações celebrativas dos 30 anos do Germinar, foi lançado no evento o livro “Monitoramento Participativo de Rios Urbanos”, pelo professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Marcos Callisto. O livro foi desenvolvido por uma parceria do programa com o laboratório Ecologia de Bentos da Universidade. “Comemorar os 30 anos do Germinar e poder apresentar o livro para todos é um orgulho enorme”, expressou Callisto.

 

Fato Real