Fato Real
Gerais

Estreia nesta semana exposição sobre a obra de Agripa Vasconcelos em Congonhas

A Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer, Turismo e Eventos (Seculte) de Congonhas e Biblioteca Pública Municipal Djalma Andrade, realizarão na próxima terça-feira (21/06), a abertura da exposição “Trajetória de Agripa Vasconcelos: Romancista das Gerais”, que relembra a obra do escritor mineiro.

O evento contará com a participação da neta do escritor, Mara Vasconcelos Mancini, que é, também, responsável pela curadoria da exposição. Na ocasião, ela lançará o livro biográfico “Agripa Vasconcelos: do poeta ao romancista das Gerais”, escrito em parceria com Maurício César Menon e Sandro Adriano Silva.

“Esperamos que todos venham para conhecer um pouco da obra e da vida do Agripa, juntamente com alguns quadros de Yara Tupynambá, que é uma artista plástica reconhecida internacionalmente e ilustrou todos os livros do Agripa”, convida Mara.

Arte de divulgação do evento
Arte de divulgação do evento

A exposição “Trajetória de Agripa Vasconcelos: Romancista das Gerais” ficará até o dia 21 de julho, de segunda a sexta-feira, de 7h às 18h, na Biblioteca Pública Municipal Djalma Andrade, rua Padre Antônio Corrêa, 163, centro.

Sobre Agripa Vasconcelos

Agripa ficou conhecido pelo grande público pelos seus dois romances que viraram novelas: o livro “A vida em Flor de Dona Beija”, que originou a novela “Dona Beija” (1986) e o livro “Xica que Manda”, que se transformou na novela “Xica da Silva” (1996).

Aos 25 anos, Agripa Vasconcelos tornou- se membro da Academia Mineira de Letras (AML). O poeta e jornalista Djalma Andrade, patrono da Biblioteca Municipal de Congonhas, também foi membro e presidente da AML, tendo sido confrade de Agripa.

Fato Real