Fato Real
Gerais

Congonhas implanta projeto de recuperação da bacia do córrego dos Freitas

O prefeito Cláudio Antônio de Souza, o Dinho (MDB), participou na manhã desta sexta-feira (03/12) da cerimônia simbólica de entrega de dez biodigestores que foram instalados em propriedades rurais de Congonhas com o intuito de recuperar e proteger a região da bacia dos Freitas.

A instalação destes equipamentos, que são utilizados para o processo de tratamento de esgoto sanitário em substituição às fossas negras e ao descarte in natura nos córregos ou no solo, foi possível através de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a empresa Gerdau viabilizada pela Adesiap (Agência de Desenvolvimento Econômico e Social dos Inconfidentes do Alto Paraopeba).

Alguns dos biodigestores instalados
Alguns dos biodigestores instalados

Os biodigestores que, segundo a Adesiap, possuem um custo total de implantação e instalação por unidade em torno de R$14 mil, foram instalados de forma gratuita para os moradores da região rural da bacia dos Freitas que aderiram ao projeto. 

Durante o evento na Romaria foram exibidos depoimentos de produtores rurais que aceitaram a instalação dos biodigestores, entre eles o advogado Carlos André de Freitas. “Eu tinha fossas que já estavam esgotando a capacidade e eu tinha que resolver esse problema. Então a instalação do biodigestor foi muito salutar para mim porque, além de resolver o problema que eu tinha da fossa superlotada, foi importante para a conservação do meio ambiente e principalmente da água porque aí não tem risco do lençol freático ser contaminado”, disse.

Ao agradecer a parceria com a empresa Gerdau, o prefeito Dinho também reforçou a preocupação de sua gestão com a sustentabilidade “Nosso governo tem o compromisso com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, por isso estamos trabalhando com os proprietários rurais para que eles protejam as nascentes através do cercamento e recuperação da vegetação para manter as nascentes preservadas por muitos anos, inclusive pensando no bem estar das futuras gerações”, comentou o prefeito.

Prefeito Cláudio Dinho participou do evento
Prefeito Cláudio Dinho participou do evento

 

De acordo com o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Marcelo Moreno, a entrega destes primeiros dez biodigestores é apenas o início de um projeto que tem como objetivo melhorias socioambientais através da despoluição e recuperação de rios, córregos, afluentes, nascentes e mananciais. “A nossa meta é instalar mais 150 biodigestores em diversas partes do município através de parcerias público-privadas contribuindo de maneira efetiva na recuperação de nossas bacias hidrográficas”, finalizou.

No fim da apresentação a Diretora de Gestão Ambiental, Ana Gabriela Dutra, apresentou o Projeto do Centro de Educação Ambiental Municipal (CEAM), que será construído nas proximidades da Unidade de Conservação Parque Municipal da Cachoeira de Santo Antônio, com a finalidade imediata de reunir, sistematizar informações e experiências em educação ambiental e disseminá-las ao público em geral. Sendo, assim, um projeto inovador em toda a região do Alto Paraopeba mostrando o compromisso socioambiental da Prefeitura de Congonhas. 

O que são biodigestores

Os biodigestores são compartimentos fechados nos quais ocorre decomposição de matéria orgânica decorrentes de atividades humanas (esgoto doméstico). A decomposição que a matéria orgânica sofre dentro do biodigestor chama-se digestão anaeróbica, ou seja, sem oxigênio, que é realizada através da atividade de bactérias anaeróbicas. 

Esta técnica não utiliza insumos químicos e possui vantagem econômica e de logística para o tratamento do esgoto gerado nas residências em regiões rurais. Os biodigestores são importantes para minimizar ao máximo os impactos socioambientais causados pelo lançamento de esgoto a céu aberto ou pelo uso das fossas.

Além da contribuição com a preservação ambiental, o custo de manutenção para o proprietário rural é menor tendo em vista que este sistema permite um período maior entre uma limpeza e outra quando comparado com as fossas.

Fato Real