Fato Real
Destaque

Queda na doação de sangue pode afetar cirurgias de emergência

A pandemia do Coronavírus tem exigido que os hospitais se adaptem às novas estratégias de atuação, em especial nas cirurgias. Além do risco de contaminação pelo COVID-19, que pode afetar tanto pacientes quanto os profissionais de saúde, a falta de insumos e a sobrecarga em alguns serviços agravam o cenário. Em Barbacena, no Hospital Ibiapaba CEBAMS, que é referência em Cardiologia de Alta Complexidade, as operações de urgência continuam sendo realizadas. No entanto, os protocolos de segurança estão reforçados e outro problema que tem dificultado algumas cirurgias é a falta de sangue para as transfusões, já que o isolamento social reduziu as doações nos hemocentros.

Elayne Muniz,

Segundo a psicóloga hospitalar Elayne Muniz, é importante que a comunidade esteja sensibilizada para esta situação e que as doações não cessem a ponto de afetar as cirurgias não eletivas e que precisam de todos os insumos imediatamente, inclusive os hemoderivados. A psicóloga fala dos principais aspectos da doação e a importância da sua continuidade, mesmo em tempos de pandemia:

Pergunta: Como ocorrem as doações hoje?
Elayne Muniz: As doações podem ser realizadas nos hemocentros do estado – na nossa região temos um posto de coleta em Barbacena, e os hemocentros em São João Del Rei, Juiz de Fora e Belo Horizonte. Antes de qualquer coisa, é necessário que o candidato a doador se certifique se está apto para doar.

P: E as doações estão restritas aos familiares dos pacientes que precisam do sangue?
EM: Neste momento de pandemia, nossa abordagem de sensibilização para doação de sangue fica mais restrita aos familiares dos pacientes internados ou que serão submetidos à cirurgia, pois eles tem uma motivação importante para doar. Consequentemente, a família acaba sensibilizando outras pessoas também. Mas é importante afirmar que quem já tem o hábito de doar, ou os interessados que forem considerados aptos que não deixem de fazer as doações.

P: E quem pode doar?
EM: É preciso ter idade entre 18 e 65 anos, pesar mais de 50 quilos, ter boa saúde, não ter realizado procedimento cirúrgico/endoscopia/tatuagens há pelo menos um ano e ser solidário, pois este é um ato voluntário.

P: Qual a estrutura de Barbacena hoje para receber doações?
EM: Temos um posto de coleta avançado, que funciona anexo à Santa Casa, com atendimento todas as segundas-feiras. Para agendar a coleta, recomendamos que o doador, já considerado apto para a doação, entre em contato com antecedência pelo telefone (32) 3339-2400. É possível também obter mais informações pelo www.hemominas.mg.gov.br. Baixe também o aplicativo MGapp: linktr.ee/hemominas.

P: É possível doar com segurança?
EM: A doação de sangue é feita com total segurança, segue protocolos rígidos de biossegurança, tanto para o doador quanto para o paciente. E neste momento de pandemia, os hemocentros estão seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde, quanto ao distanciamento social, evitando aglomerações, exigindo o uso de equipamento de proteção, como máscaras e outros. Um dos fatores para a diminuição das doações foi a necessidade de aumentar a distância entre as cadeiras de coleta, e um agendamento com menos pessoas. Isso diminui o ritmo de obtenção do sangue, mas aumenta a segurança de quem doa.

P: Qual a mensagem para os doadores e doadoras?
EM: O sangue é um remédio diferente dos outros: sangue não se fabrica em laboratório, não se compra na farmácia. Para ter sangue em estoque e atender as necessidades dos pacientes dependemos da solidariedade humana. É um ato de solidariedade indescritível – na verdade, doar sangue é salvar vidas.

Fato Real