Fato Real
Destaque Política

Aprovação de lei pela câmara pode destravar andamento de obra do hospital regional de Lafaiete

 

Sessão da Câmara de Lafaiete/Arquivo
Sessão da Câmara de Lafaiete/Arquivo

A saúde foi mais uma vez tema central da reunião ordinária da Câmara Municipal de Conselheiro Lafaiete nesta terça-feira 21/06. Alguns vereadores fizeram uso da palavra franca para demonstrar a insatisfação com a falta de soluções para os problemas do setor, que vão desde falta de médicos até a falta de medicamentos básicos para a população. “Fui visitar uma amiga no pronto socorro e saí de lá envergonhado de ser vereador nesta cidade. Foi um momento de terror que vi lá”, disse Erivelton Jayme (Patriota).

O vereador Sandro José dos Santos do PROS questionou a falta dos medicamentos. “Falta pomada, insulina, o básico. Mas tudo bem, parece que já está chegando. Mas eu quero saber porque estão deixando faltar, para ter uma solução. Precisamos entender o problema. Tem uma pessoa trabalhando na distribuição de remédios para os postos? Talvez ela não esteja dando conta, vamos colocar mais. Faz um ano e meio que estamos aqui e não vimos mudança na saúde e isso é vergonhoso”.

“Tem um ano e meio que estou nesta Casa e até agora não vi melhoras. A gente fica indignado. É o povo reclamado, sofrendo nos corredores do pronto socorro”, desabafou Vado Silva.

Hospital Regional

Governo de Minas afirma que obra será concluída
Governo de Minas afirma que obra será concluída

Também foi motivo de debate a construção do hospital regional durante a votação do projeto de lei complementar que trata sobre a retomada das obras. Vereadores se mostraram descrentes sobre a sua conclusão e funcionamento. Foi o caso de Pedro Américo do PT ao falar sobre o imbróglio com a dação do terreno ao estado. “Há sete anos atrás o ex-prefeito veio nesta casa e disse que se aprovarmos como doação, o estado vai pegar e terminar a obra. A gente aprovou e sete anos depois estamos aqui novamente aprovando a doação em pagamento e daqui sete anos outros estarão aqui aprovando outra coisa. Todo mundo quer que o hospital regional funcione mas não está na nossa mão,” explicou.

Aprovado

Apesar do descrédito no processo como um todo e da burocracia, a maioria dos vereadores optou pela aprovação do projeto, que autoriza o município a realizar o pagamento de uma dívida com o estado com a dação do imóvel, onde deverá ser construído  o hospital.

Em maio durante visita a Barbacena, Fábio Baccheretti, secretário do estado de Saúde, foi questionado sobre a obra do hospital regional de Lafaiete e informou que  faltava a aprovação da Câmara Municipal e da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. “Estamos na fase de estadualização do terreno, que faz parte do município. Para que já possamos licitar e retomar as obras. Estamos prontos para emitir um novo processo licitatório e entregar aquele equipamento importante para a região, que vai realmente mudar toda a infraestrutura de atendimento de Lafaiete”, afirmou o secretário que disse que já havia dinheiro em conta para a obra.

Deputado trabalhou para aprovação de lei que prevê conclusão do hospital regional de Lafaiete
Deputado trabalhou para aprovação de lei que prevê conclusão do hospital regional de Lafaiete

Em recente reunião do Consórcio de Desenvolvimento do Alto Paraopeba (CODAP) o deputado estadual Glaycon Franco (PV) esclareceu a situação da obra e o trabalho desenvolvido junto a Assembleia Legislativa de Minas Gerais para conclusão do hospital de Lafaiete : “Tem vários hospitais regionais em Minas para serem acabados. E lá atrás nós sabíamos que precisava de força política mas precisava também de recurso novo. E infelizmente, precisou dessa tragédia para que esse recurso novo aparecesse. E precisou também, é bom que se diga, ativamente da participação da Assembleia Legislativa, juntamente com a nossa bancada, para incluirmos o hospital de Conselheiro Lafaiete, entre os seis que vão ser terminados; e outros não vão ser. Queira Deus que não precise mais acontecer outras tragédias, para que a gente possa terminar os outros hospitais regionais”.

Fato Real