Fato Real
Coluna Vou Falar - por Aaron Fenix Gerais

Por quem os sinos dobram?

Neste domingo (11/04/21) a Igreja Católica estará celebrando o Dia da Misericórdia e os sinos das igrejas em todo o Brasil estrão tocando simultaneamente como uma forma de homenagear e nos lembrar dos quase 350 mil brasileiras e brasileiras que, independente de idade, cor, sexo, religião ou classe social, perderam a vida para o Coronavírus nesse mais de um ano de pandemia. Em tempos de isolamento social como o atual, devido à pandemia, nossos sentidos estão mais aguçados, sensíveis. Uma mistura de sentimentos toma conta da gente: “vemos” a passagem do tempo que nos faz refletir sobre a nossa condição humana, sobre o que temos feito de nossas vidas e, principalmente, como estamos enfrentando esse período doloroso.

Serei breve neste dia, apenas transcrevendo uma meditação do poeta inglês John Donne, escrito em 1624 e que retrata bem este momento trágico pelo qual o mundo passa. Diz esse trecho:
“Nenhum homem é uma ilha, cada homem é uma partícula do continente, uma parte da Terra. Se um torrão é arrastado para o mar, a terra fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio. A morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”.

Este hino à humanidade faz de cada um de nós espectadores comprometidos com a existência do outro. E os sinos, desde sempre tocam e tocarão, dobram e dobrarão, pelas almas, pelas causas, por nós. Os sinos tocam e dobram para nos chamar, nos alertar e mostrar o quão frágil nós somos diante da morte.

Tô sabendo e Vou falar!
Aaron Fênix

Fato Real